quarta-feira, 26 de setembro de 2007

Só por hoje.



Hoje eu não vou me sentar no lugar de sempre,
pra escrever o de sempre, com as mesmas pretenções.
Não é mesmo papel e se que a mesma caneta.
Hoje eu não quero dizer coisas previsíveis,
hoje eu não quero fazer coisas previsíveis,
não quero ligar pra você, não quero escrever pra você,
isso é tão previsível.
Só por hoje não vou ser o que sou,
não vou fazer o que espera que eu faça,
hoje eu vou ser um pouco do que eu quero ser.
Não vou dizer o que espera que eu diga, tá aí,
talvez não diga,
talvez me cale depois daquele seu eu te amo,
talvez não diga hoje que o medo me apavora
e mais do que nunca.
Porque hoje eu não quero que saiba o quanto eu preciso de você,
não quero que saiba o quanto eu queria que estivessemos juntos agora,
porque hoje eu não quero dizer que sem você fica difícil respirar.
Hoje eu só quero que saiba se você me quer,
se quer passar a noite ao meu lado,
se quer cuidar de mim.
Hoje eu só quero que saiba que o meu corpo é teu,
mas sem que eu precise entregá-lo a você,
hoje eu não quero que sinta pena, ou compaixão.
Hoje eu não quero ficar e ver você dormir,
enquanto a insonia me consome,
hoje eu quero te deixar na cama,
levantar de madrugada, ligar a TV
e abandonar você enquanto dorme.


Pra alguém.
Bruh.
s2

4 comentários:

Ricardo Almeida disse...

"hoje eu vou ser um pouco do que eu quero ser"
E amanhã mais um pouco, e depois de amanhã um pouco mais, e, quem sabe, um dia eu tenha sido o que sempre quis ser.
Belo poema!
Obrigado pela visita ao Poesia Residual!
bjs
PS Hoje eu quero se leve, cansei de tanto peso.

De disse...

Olá mocinha!!!

Que grata e inusitada surpresa a sua visita.
Seja sempre bem-vinda ao meu cantinho.
Li e reli este teu último post... e dei um leve passar de olhos nos anteriores e pelo visto, "hoje" tem sido "todo dia".
Te confesso que não sei o que é mais importante: se a existência de alguém para amar ou se a existência do amor em quem ama.
Se optar pela primeira das duas, penso que irá correr o risco que é "comum" à todos, uma vez que a ausência do ser amado causa dor e sofrimento, por vezes, ambos desnecessários;
Optando pelo segundo... será amada tanto quanto fores capaz de amar, pouca importa quantos e por qto tempo, uma vez que o amor estará em ti, sendo multiplicado pelas tuas atitudes e divididos com aqueles que o fizerem por merecer.
Enfim... Ame! E a vida lhe proprocionará sempre possibilidades de escolha.
Um ótimo final de semana!!!
De

Lu Morena disse...

Esse texto me deu idéia de vontade de silêncio. Vontade de não precisar se expressar com palavras ou sons. Vai ver é o que eu gostaria de fazer só por hoje. Quando quer que esse "hoje" seja...

Bjins

alexandre henrique disse...

o foda é que disseram tudo, antes, e melhor que eu
;)