sexta-feira, 16 de janeiro de 2009

Sobre O Que Se Esconde

É importante esconder a tristeza que se sente. As pessoas em geral, você há de convir, se dividem basicamente em dois grupos; as evitam as pessoas tristes, porque as pessoas tristes “rebaixam” a almas das pessoas felizes, sugam a energia positiva deixando somente a energia ruim [ segundo elas ] ; e as pessoas que gostam de ficar perto e de tentar ajudar as pessoas tristes, no intuito de assegurar-lhes o devido conforto, e contentamento, de ver que tem alguém em situação pior que elas. As pessoas tristes são pessoas solitárias porque são tristes ou são tristes porque são solitárias? Não importa.
É importante esconder a insanidade. Eu posso confessar a você, que está distante de mim e que não tem autoridade pra me internar em nenhuma clínica de doentes mentais, que já procurei uma clínica na qual eu me encaixe. Sim eu juro que fiz isso. Ela é até bonita, tem canteiros com margaridas [ e quando eu vi me perguntei, quem é que planta margaridas em canteiros ? me apaixonei logo de cara. ], boldo ( acho que a comida do lugar não deve ser muito boa não, se bem que o boldo que eu comprava na feira dos domingos de manhã eram sempre pra curar a minha ressaca e não pra curar o meu estomago de alguma comida estragada confesso), hortelã e cebolinha. Tem paredes pintadas de tons pastéis ( o que eu sempre odiei, mas se eu continuar odiando já é uma forma de eu manter a minha lucidez ), lençóis brancos, camas bonitas, colchões confortáveis... Claro, é uma clínica pra quem tem dinheiro eu sei, mas com o seguro que venho pagando desde os meus vinte anos acho que poderão, quem for tomar conta do dinheiro ou eu mesmo, pagar tranqüilo o meu asilo de descanso mental. Quando eu cheguei com o pedaço de papel onde continha o nome da clínica Santa Efigênia e entreguei pra galera no bar, acho que quiseram me internar na mesma hora, mas eu calmamente disse, se um dia eu chegar a ficar louco ( não seria agora? ), louco de verdade, é aqui que eu quero morar. “Besteira, idiotice” me disseram. Não era pra chamar atenção, é só um pouco de prevenção.
É importante esconder a solidão. É sempre importante esconder a solidão. Todo mundo é um pouco sozinho e no escuro do quarto nas madrugadas de quarta feira (ou de terça, ou de quinta, ou de segunda, ou de SÁBADO [a pior das madrugadas passada em casa]) chora! Chora que nem um bebê que acabou de sair da barriga da mãe (chora com mais discrição, eu digo) onde era quente e o aperto dava impressão de cuidado. Sair da barriga da mãe pra ficar em uma incubadora sozinho, vigiado. Eu não me lembro de quando saí da barriga da minha mãe, mas posso te dizer, com toda certeza desse mundo, que foi um dos piores momentos da minha vida, eu me senti injustiçado, eu me senti apunhalado, eu me senti recusado. E no fim toda essa vida é pra sanar a dor e o sentimento de revolta que eu senti assim que eu vim ao mundo. Esconder a solidão é se mostrar menos frágil, mais competitivo.
É importante esconder a ansiedade. Eu ainda acho que o destino brinca comigo de propósito, porque, quando eu quero muito alguma coisa, ele sempre arruma um jeito de adiar. Pensando nisso eu venho escondendo a angústia que eu sinto todos os dias, de todos os planos, funciona, ás vezes. Eu me escondo das peças que o destino prega, me escondo, na verdade, de tanta coisa que eu gastaria mais que um dia pra te dizer a minha lista toda, mas é importante também esconder o medo.
É importante esconder a vaidade, na verdade, eu não sei porque é importante esconder a vaidade, mas eu escondo, tão fundo que não sei nem mesmo se ela existe em mim.
É importante esconder a podridão. Ah, você sabe, ninguém quer alguém podre por dentro. E eu sou, todos são podres por dentro e disso eu me gabo, não sou o único, nunca serei. Em matéria de podridão posso dizer só que algumas podridões fedem. A minha fede, fede à álcool, à morangos mofados, à nostalgia acumulada, à curativo antigo, à sangue estacado,à emoções mofadas.
Enfim, é preciso esconder o mofo. É sempre preciso esconder alguma coisa, nem que seja esconder o que há muito já se esconde de si mesmo ou de alguém.. E quem diz que não nada esconde de alguém, esconde que esconde.
(14/01/2009



Obs: esse texto contraria em todo o post passado.

Obs2: em itálico frase da Raíza.

9 comentários:

Condessa de Monte Castelo. disse...

De todas as coisas que eu realmente preciso ou aprecio esconder, uma eu faço questão de deixar bem escancarada, O QUANTO PRECISO DE VOCÊ! isso por mais que eu tente não da pra esconder...

Robin K disse...

Nem que seja esconder o que escondemos de nós mesmos.

bá . disse...

Nossa, muito bom teu texto.
Dei uma olhada em alguns outros e adorei! Tu escreve super bem!
Obrigada por passar no meu blog. Vou voltar aqui, com certeza!

Te favoritei :)
Bjs.

Kaká =D disse...

Nhaaa acabou q vc tbm naum deu outro final!
Mas eu ateh q gostei desse aí!
Participação especial minha!
sdiufhafsdhfasduhfi

adoro-te

=*

Nadezhda disse...

Se algum dia precisasse ficar em uma clínica, essa me pareceu bem acolhedora.

Gostie do texto ;)

Camila :) disse...

cada pessoa é cada pessoa neh?
eu por exemplo, fico mais tristes com as coiisas dos outros, do modo de lembrar q teem gente em pior situ q eu xD hehe
muitooo perfecto o texto.

bejoos

Nina Vieira disse...

é realmente necessario esconder sentimentos quando se quer. Mas nao nego a ajuda dos poucos que me adoram.

.Carmim. disse...

Olá!

Você conhece o livro "Mulheres que Correm com os Lobos"?

Me interessei muito por ele logo que comecei a ler suas primeiras páginas. E desde lá tenho procurado fóruns para trocar opiniões, porém não encontrei nada.

Então fiz um blog para que nós, mulheres, possamos ter a oportunidade de compartilhar nossas idéias a respeito dos contos deste fantástico livro!

Se quiser conferir:
lobasquecorrem.blogspot.com

Um abraço!

flavita. disse...

Mas e se escondermos tudo isso, quando poderemos demonstrar que somos humanos? Digo, sou/somos tudo isso em diferentes níveis, ou não?
Sei lá.
A única coisa que sei é que gostei muito do teu blog e quero voltar aqui sempre.
Beijo, moça.