quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Sobre Evitar Despedidas

Eu corri pra alcançar o taxi, eu corri. E acabei fazendo um tchau de despedida sem você ver, eu acabei vendo você dentro do taxi chorando de cabeça baixa como eu não queria ver. Sempre achei piegas despedidas e choro em rodoviária, aquelas pessoas tornando público seus sentimentos, lágrimas, tristezas, coisa de 3º mundo, não se vê igual nos EUA, bando de frescos, eu sei, frescura minha? Não, Máscara pra esconder o meu medo! Não queria te ver partir, tenho medo de você não voltar e a única coisa que eu lembrar ser você partindo num ônibus nacional verde e amarelo me dando tchau enquanto choramos complacentes. Coisa idiota nos esconder atrás de mentiras, mas é que se eu te contasse o meu medo você me contaria a maior de todas as mentiras ‘eu nunca vou te deixar’, um desses atenuantes lugar-comum que eu sempre gostei de evitar.

- Eu to pronto, a mala também.

Eu quis chorar, quis pedir que ficasse mais um dia e fazer aquele drama que toda namorada sabe fazer. Mas pra que? Você tinha mesmo negócios pra fazer, não podia ficar então eu não pedi.

Eu: - Eu queria que pudéssemos passar mais tempo juntos daqui pra frente. Eu sinto sua falta!

Eu olho pra você, pra não olhar pra sua mala e é engraçado como aos poucos parece que, tão simultaneamente, descem as primeiras lágrimas dos nossos rostos. Eu não gosto de chorar com você aqui, você sabe. Pra mim, chorar de saudade é coisa pra se fazer ao telefone. Todos os meus momentos com você têm que ser alegres, porque quando estou com você é tudo tão perfeito.

Ele: - Eu chamei o taxi, se não eu perco o ônibus.
Eu: - Eu ainda tenho tanta coisa pra falar. Ainda tenho cinco minutos com você, não é?

E acaba sendo engraçado o quanto esses cinco minutos são tão preciosos pelo tanto de cinco minutos que desperdiçamos, hora a hora, dia a dia, mês a mês. E eu que sempre acreditei muito em TOQUE só sei ficar perto de você esses ‘os mais valiosos cinco minutos de cada mês’. E Esses são os cinco minutos mais perigosos na vida de um ser, é quando se diz grandiloqüências com absurda facilidade (coisas como Sempre, Nunca, Toda a minha vida, O maior de todos). Nesses 5 minutos tudo tem uma afetação maior que em qualquer outra situação.

Eu: - Eu adorei esses últimos dias, os meus dias com você são sempre melhores, e sempre fico lembrando depois de nós dois fazendo amor nessa poltrona que você adora, acabo fazendo dois cappuccinos sem perceber, enquanto da cozinha eu converso sozinha achando que você está na sala com as pantufas ridículas que eu comprei pra você usar e achando que por causa delas eu vou rir de você e você pra mim.

[Porque quando eu disse: “Você fingi tão bem que adorou as suas pantufas de coelho que combinam com as minhas de coelha fêmea que eu nunca vou saber se é só fingimento ou se você realmente gostou” Você balançou a cabeça dizendo que não com o sorriso e eu continuo sem saber se é "não, eu não finjo meu bem" ou se é “não você não vai saber”]
-... Então eu volto pra sala com duas canecas na mão e acabo me encolhendo nessa poltrona enquanto o seu cappuccino esfria na mesinha do lado do telefone... E Eu queria dizer que eu sou a mulher mais feliz por ter você e que a saudade me corrói todos os dias e horas em que você não está e que não há no mundo alguém que te ame mais do que eu. Saudade já. Eu te amo.

E é claro que eu custei a dizer tudo isso afinal não é um exercício fácil falar, chorar, fumar e respirar ao mesmo tempo. Você repetiu as juras, você é tão lindo.
O taxi buzina.

Eu: - A gente pode fingir que vai se ver amanhã, como sempre?
Ele: -Claro, até amanhã.
Eu: -Quer que eu te leve até a porta?
Ele: -Não fique deitada, amanhã de acordo com um monte de beijinhos como você gosta.
Eu: -Tranque o portão, feche as janelas, apague a luz, e saiba que eu te amo [cantarolando].
Ele: - Eu amo você, muito.

Eu você saiu, eu ouvi o barulho da chave, mas me ative ao eu te amo, se você nunca voltasse... Seria o eu te amo que eu me lembraria, até conseguiria ouvir de novo. Eu não sentiria tanto a sua falta até a próxima vez, eu não sentiria tanto medo, tanta angústia. Mas sabe deu tudo errado, dessa vez quando olhei pra mesinha vi seu casaco e em milésimos de segundos pensei que havia avisado pra não esquecer, aquela velha frase do “eu disse, eu disse”. Com medo de que você sentisse frio, eu peguei e corri pra que eu pudesse te entregar. 7 segundos a menos, 7 segundos a mais, pra que eu alcançasse, pra que eu nem visse. Mas eu vi. E fico com a impressão de que aquela foi a minha despedida e despedida é pra quem sabe que não vai voltar.

Por isso essa carta, eu sei que combinamos que não seria possível nos ver mais de uma vez ao mês, mas hoje faz um frio insosso, e deu no jornal que fará a semana toda e a minha previsão pra essa semana inteira é ficar olhando a sua caneca que esfria do meu lado, enquanto choro como uma criança abraçada à sua blusa, encolhida nessa poltrona que você adora com as pantufas de coelho macho pra esquentar os pés.

Deveria ser proibido fazer frio na casa de quem não tem um amor presente, mas não é, infelizmente não é, e é em dias frios que a saudade é mais cruel, você sabe. Por isso essa carta, esse pedido de socorro, pra que venha, que venha logo, que nesse ano o frio chegou na primavera, e sem se quer dar chances pra minhas plantas florescerem.
E só há uma coisa pior que a saudade no frio, é pensar que a gente, por um acaso, um acaso que chega a rir na minha cara de tão debochado, o pior, é pensar que a gente, por acaso, teve mesmo uma despedida e despedida você sabe... É coisa pra quem sabe que não vai voltar.


Obs: Perdoem-me o sumiço.

25 comentários:

Luh* disse...

Odeio despedidas! é tão triste!
beijos

little dreamer disse...

MEU DEUS DO CEU!
ela voltou com tudo, mas profunda do q nunca. Devorei esse teu texto. Me encontrei por diversas vezes nele, pra nao dizer q foi nele por completo. Senti falta do teu coraçao q sempre era deixado por aqui. Nao some mais nao heim?! *-*

Lili Tormin disse...

Porquê sisma em falar de despedidas?
Mais uma vez estou com os olhos marejados... Me identifico mais do que gostaria, mas entendo o sentido de suas palavras.
Porque despedidas vivem a bater em nossas partas amiga?
Saudades me corroem de tempos que não voltam.

Ah... tenho um selo pra ti, dê uma olhada no meu blog!

Bjus amora

Lolla...doida varrida! disse...

a-d-o-r-e-i seu blog. e já tô seguindo.
passa lá no meu tb pra dar uma fussadinha.
depois volto com mais calma pra ler os artigos.ok?
bjusss

Insolente disse...

"esse pedido de socorro, pra que venha, que venha logo, que nesse ano o frio chegou na primavera...". Certeira e implacável.

Daniela Filipini disse...

Odeio despedidas...
Esse post me fez lembrar que meu irmão mora longe e me fez reviver cada vez que eu o vejo partir. Como dói... Meu Deus, como dói!

T disse...

perdoo, mas não suma novamente uhauhau.
sobre o texto, me doeu.

Sylvio de Alencar. disse...

Estou chegando agora..., e não. Não perdôo seu sumiço. Ninguem merece que vc suma desse jeito: sumindo.
Ainda bem que não vi essa barbaridade: vc sumir. Mas outros passaram por isso. Tadinhos e tadinhas. Mas faz parte sumir..., numas né! Falo meio como paulista...

Li tudo. Como não fazê-lo? Independente de tê-la visto, sua escrita é inspiradora: saber que um homem pode ser amado, ou melhor, que uma mulher pode amar de uma forma tão consciente, que pode ser escrita, e nos cativar tão completamente, tão sinceramente, agradávelmente, que, simplesmente, me aquece. Nos aquece.
Parabéns pra vc. E para nós que a lemos.

Salsa disse...

É um perigoso mesmo, o tal "grandiloqüente cinco minutos".

Angel disse...

Legião Urbana me encanta
Renato Russo é o cara
sem palavras para descrever o que eu sinto quando ouço o som dele
perfeito simplesmente perfeito!
obrigado pelo teu comentário
beijos

Little dreamer disse...

obaaaaaaaaaaaaaaaa! EU DEIXEI ELA ORGULHOSA....bato no peito pra falar isso...*-*
cara...sinto falta dos teus coments sabia?! ainda mais pq sempre tem alguma coisa pra me fazer ser melhor.... :$

Lolla...doida varrida! disse...

tá perdoaaaada!!!
bjus...

Sandra Timm™ disse...

"Deveria ser proibido fazer frio na casa de quem não tem um amor presente..."


Concordo plenamente.

Meu namorado foi embora hj (mora em outra cidade, passa uma semana aqui e outra lá) e eu senti muito frio essa noite. E eu moro em GOIÂNIA, que é hiper quente!!!!

Parabéns, Dri... seus escritos são sempre lindos!

Lolla...doida varrida! disse...

MENINA...DE ONDE VEM SUAS HISTORIAS? SÃO REAIS?
SÓ CURIOSIDADE...
BJUS.

Little dreamer disse...

Nao é pra deixar de ficar nunca! ta pensando oq?! hehehehehe
to evoluindo. Brigadao pelo toq ta?
e por estar se fazendo mais presente. Tenho certeza q os blogueiros agradecem.. *-*

Anna disse...

Texto maravilhoso.
beijos

Conde Vlad Drakuléa disse...

Profunda, bruta, brilhante, como o mais lindo diamante de Serra Leoa! Que facilidade tu tens para escrever, para transmitir as mais diversas emoções em sua forma bruta, não-lapidada, da maneira exata como elas devem ser trasnmitidas em minha opinião ^^ Despedidas fazem parte do grande teatro da vida, a morte em si mesma é uma despedida temporária, um até breve mais longo apenas... Aprendemos com as despedidas? Creio que sim, apesar do sofrimento que elas causam... Acho que por isso que elas existem... No entanto, acho que dificilmente um homem com bom-senso e bom gosto se despediria de uma mulher tão intensa e linda como você! Beijocas do conde e do Luiz :***

Carolina. disse...

Nossa!
Acho que despedida é um péssimo hábio. É tão chato sentir saudade, mas é tão bom saber que alguem sente saudade. É sentimento de pertencer a alguém. Acho que é mais importante pertencer a alguem, do que pertencer alguem.

Aiai. Amor é somplexo.

Adorei o texto.[novidade?]
saushaus

Beijos, Dêh

A Magia da Noite disse...

a despedida é um acto de pré-saudade que iniciamos na certeza de que um dia poderemos arrepender-nos.

Anne Lieri disse...

Meu Deus,que texto lindo!Também acho que deveria fazer frio quando se sente saudade porque dói mais!Adorei essa carta de amor!Obrigada pelo seu carinho em meu blog pelo meu aniversario!Demorei a responder pois estava viajando.Bjs e que ele não demore a voltar!

Endry disse...

Poxa, eu tbm não sabia que tu fazes ciências sociais! Eu faço na UFRGS, e tu??

beijoos :**

PS: ótimo texto!

*Natália* disse...

Sumiida !!
E nem fala em despedidas... só de pensar nisso, doi meu coração!

beiijos.

sobrefatalismos disse...

Despedidas, só vivo delas, mas tambem as detesto.
Vc sumida? E eu entao? Agora estou voltando. Bjos moça, amo-te!

Luiz Carlos disse...

Olá!!!
belo post!!
vim avisar que estou de volta!!
muito tempo sem ler você...

dah uma passada lah no blog, dei uma pequena mudada nele

http://oenletrado.blogspot.com/

bjaum

Luiz Carlos disse...

Oi moça!!!
aqui, vim só avisar que você está sendo indicado na BlogGincana lá no meu blog como um bom blog!!

avisado está!
bj